Boletim - Julho 2013

Fundação Energia e Saneamento

Memória

Julho: o mês das revoluções paulistas

Uma das mais importantes memórias cívicas de São Paulo, a Revolução Constitucionalista foi deflagrada em 9 de julho de 1932. No entanto, o mês de julho também foi protagonista de outra insurgência paulista: a Revolução de 1924. Para relembrar estes dois conflitos, ocorridos em julho, esta edição do boletim apresenta algumas das mais de 600 imagens do Acervo da Fundação Energia e Saneamento que registraram estes eventos históricos.




Área de bivaque (acampamento e abrigo, sem o uso de barracas) das tropas legalistas, no Parque D. Pedro II, julho de 1924



Transeuntes perto de poste atingido por balas de fuzil, durante a Revolução de 1924


A Revolução Esquecida

Menos lembrada do que a Revolução de 1932, a Revolução de 1924, liderada por jovens oficiais do exercito brasileiro insatisfeitos com o sistema político, tinha como principal objetivo destituir o presidente Artur Bernardes do poder. Para os revoltosos, o presidente representava os vícios da política "café com leite" que havia levado as elites de Minas Gerais e de São Paulo a compartilhar o poder político do país desde o início do século XX. Lembrada como um dos levantes do chamado movimento tenentista, a Revolta de 1924 colocou São Paulo em um Estado de guerra civil por 23 dias, mas não resistiu ao cerco promovido pelas tropas governistas. No dia 27, as forças revolucionárias paulistas se retiraram para o interior de São Paulo, seguindo mais tarde para o sul do Brasil.

Clique aqui e confira um informe divulgado pela The São Paulo Tramway, Light & Power Co. Ltd durante a Revolução de 1924.




Manchete do jornal O Paiz, 15 de julho de 1924


A Guerra Paulista

A Revolução Constitucionalista de 1932 começou a se materializar quando Getulio Vargas - que havia tomado o poder por meio de um golpe de estado em 1930 - nomeou um interventor federal que desagradou as forças políticas paulistas. O povo saiu às ruas e o estopim das manifestações contra o governo provisório ocorreu em 23 de maio, quando quatro estudantes foram mortos na Praça da República. A morte de Martins, Miragaia, Dráusio e Camargo (MMDC) deu uma nova motivação aos manifestantes. Com amplo apoio da classe média, a luta estendeu-se por três meses. Apesar da rendição das forças revolucionárias em 2 de outubro, a principal reivindicação foi atendida por Vargas: a convocação de uma nova constituinte, que levaria à promulgação da Constituição de 1934. Além disso, a Revolução Constitucionalista tornou-se um dos símbolos da identidade paulista.

Clique aqui e confira um boletim do Governo pedindo a rendição dos soldados revoltosos em 1932.

Para saber mais: Em parceria com a Imprensa Oficial, a Fundação publicou, em 2010, o livro-reportagem "1924 - O Diário da Revolução: os 23 dias que abalaram São Paulo". Sobre a Revolução Constitucionalista, a Fundação tem levado à itinerância a exposição "1932: O Ano da Revolução Paulista". 



Com a escassez de alimentos ocasionada pela Revolução de 1924,
a população começou a saquear mercados e indústrias - neste caso,
os armazéns da Companhia Puglisi



Acima, soldados despedem-se de suas famílias para irem lutar na Revolução de 1932


À direita, população reunida participando de um comício em protesto
ao governo de Getúlio Vargas, na Praça da Sé, 1932

Rede Museu da Energia




Casa de Máquinas da Usina-Parque Jacaré, situada junto ao rio Jacaré-Pepira. Foto de Salomon Cytrynowicz

Usina-parque do Jacaré

Em virtude da riqueza do café e dos recursos hídricos da região, o município de Brotas, no interior do Estado, passou a dispor de energia elétrica em 1911, ano em que sua primeira usina hidrelétrica começou a gerar energia. Mais tarde, nos anos 40, o aumento na demanda por eletricidade fez com que a cidade recebesse a instalação de uma segunda hidrelétrica - a usina do Jacaré, parte do acervo arquitetônico da Fundação Energia e Saneamento.

Construída às margens do rio Jacaré-Pepira, no distrito de Patrimônio de São Sebastião da Serra, a usina teve alguns problemas iniciais - em pleno decorrer da 2ª Guerra Mundial, não havia como importar as chapas de aço necessárias para a canalização das águas e a falta de cimento também dificultava as obras. Com a escassez de matérias-primas, a solução inédita para a época foi construir a tubulação em madeira. A usina iniciou seus trabalhos em 1944, e tinha como principal finalidade fornecer energia a uma fábrica de materiais bélicos que seria instalada em Limeira. Após algumas reformas nos anos seguintes, a usina do Jacaré funcionou normalmente até 1970, quando foi desativada. Com a doação da hidrelétrica à Fundação pela Companhia Energética de São Paulo - CESP em 1998, inicia-se um processo de restauro em que o maquinário original foi preservado. Mais tarde, em 2010, a usina voltou a gerar energia, contribuindo para a sustentabilidade financeira da Fundação Energia e Saneamento.




Barragem da usina junto ao rio Jacaré-Pepira. Foto de Salomon Cytrynowicz

Espaço das Águas

Fundação inaugura Espaço das
Águas de Salesópolis com
exposição fotográfica

A Fundação Energia e Saneamento inaugurou, no último dia 3 de julho, em Salesópolis, sua mais nova unidade do Espaço das águas, projeto que estimula o debate sobre os recursos hídricos, a memória do saneamento e a responsabilidade socioambiental. Instalado em uma sala no Museu da Energia da cidade, o Espaço apresenta ao público a exposição " Fatos e Fotos do Rio Tietê", resultado de um concurso cultural fotográfico inspirado no Tietê. A mostra apresenta 25 imagens de fotógrafos profissionais e amadores que registram o percurso do rio, desde sua nascente, em Salesópolis, até sua chegada em São Paulo.

Notícias


Em agosto, Fundação lança livro
"Transformações Urbanas:
São Paulo 1893 a 1940"


Uma das ações que marcam as comemorações dos 15 anos da Fundação Energia e Saneamento, o livro "Transformações Urbanas: São Paulo 1893 a 1940" será lançado no final do mês de agosto pela instituição. Com textos de especialistas e 179 fotos históricas, a publicação apresenta um passeio pela São Paulo do final do século XIX e início do século XX e revela como a indústria da energia e do saneamento participaram do desenvolvimento da maior cidade brasileira.

A obra reúne, entre outras, imagens de autoria de importantes fotógrafos do período, como Guilherme Gaensly, Pierre Doumet e Hugo Zanella. Com tiragem inicial de três mil exemplares, a publicação estará à venda na Rede Museu da Energia e ficará disponível para consulta no Núcleo de Documentação e Pesquisa da Fundação. O título foi patrocinado pela AES Eletropaulo e recebeu o apoio do Governo do Estado, por meio do ProAC - Programa de Ação Cultural.


Dia do Patrimônio inspira ações na Rede Museu da Energia


Em comemoração ao Dia Nacional do Patrimônio (17 de agosto), a Rede Museu da Energia promoverá ações em algumas de suas unidades. No próximo dia 13, o Museu da Energia de Itu realizará o evento "Uma noite no século XIX", que dará aos visitantes a oportunidade de vivenciar atividades da época, com performances teatrais, saraus e jogos. Já no sábado (17/08), o Museu de São Paulo oferecerá uma visita temática sobre a fase inicial do edifício que abriga o Museu, antiga residência da família Santos Dumont. No mesmo dia, em Jundiaí, o público poderá participar do "Rally Fotográfico", atividade que convida o visitante a produzir fotos dos pontos históricos da cidade com foco na arquitetura e nos patrimônios material e imaterial. Confira a programação completa no site da Fundação. 


Museu da Energia de São Paulo recebe visita de caminhão
multimídia da AES Eletropaulo

No último dia 12, o Museu da Energia de São Paulo recebeu a visita do caminhão multimídia da AES Eletropaulo. O veículo, que conta com três grandes telas, apresenta um vídeo interativo que transmite, de forma lúdica, informações sobre o uso adequado de energia elétrica, dicas de consumo consciente e segurança da energia. A ação foi realizada no estacionamento do Museu das 10 às 16 horas, recebendo os grupos escolares agendados para o dia, além de visitantes espontâneos.

Faça Parte

Petrobras patrocina exposição sobre evolução do combustível automotivo

A Petrobras confirmou o patrocínio, via ProAC, da exposição que irá traçar uma linha histórica da produção de combustíveis para veículos em São Paulo. Mesclando imagens históricas com atuais, a mostra apresentará um panorama da evolução tecnológica, culminando nas questões de conservação de energia presentes nos debates atuais. O objetivo é fornecer ao público informações sobre o consumo racional e eficiente de energia. Prevista para itinerar durante um ano, a exposição será apresentada na sede da Petrobras, na Avenida Paulista, além do Conjunto Nacional e Estações do Metrô.


Corpo Editorial: 
 Carolina Campos, Isabel Felix, Maíra Scarello, Mariana de Andrade,
Mariana Rolim, Miguel Zioli e Raquel Lucat
Webdesign: Fernando de Sousa Lima
Copyright © 2013 Fundação Energia e Saneamento. Todos os direitos reservados.
As imagens sem identificação pertencem ao acervo da Fundação Energia e Saneamento.


Política Anti-SPAM: Em respeito a você, caso não queira mais receber nossas Mensagens
Eletrônicas clique aqui  e envie um e-mail com a palavra REMOVER.

Contato: imprensa@energiaesaneamento.org.br



Rede Museu da Energia
Espaço das águas


Fundação Energia e Saneamento Alameda Cleveland, 601 - Campos Elíseos - 01218-000 - São Paulo - Tel.: (11) 3224-1499 Desenvolvido por: Memoria Web